Pular para o conteúdo principal

Jornal do Commercio: Governador questiona Procuradoria

O governador do Amapá, Camilo Capiberibe, ajuizou a Ação direta de inconstitucionalidade (ADI) 5113, com pedido de liminar, para questionar a Lei Complementar estadual 82/2014, a Lei Orgânica da Procuradoria Geral do estado. O governador argumenta que a norma é inconstitucional, pois foi promulgada por iniciativa do Poder Legislativo, contrariando a Constituição Federal, que reserva ao chefe do Poder Executivo a competência para propor leis referentes à organização e funcionamento da administração estadual.

De acordo com os autos, em novembro de 2013 foi aprovada a Lei Complementar 81/2013, de iniciativa do Executivo, com o objetivo de reorganizar a Procuradoria Geral do Amapá e instituir o estatuto da carreira jurídica dos procuradores do estado. A lei foi sancionada em dezembro do mesmo ano, segundo a redação final encaminhada, por meio de ofício, pela Assembleia Legislativa. Entretanto, 45 dias após a sanção, o Legislativo enviou novo ofício ao governador com pedido de anulação do ato, sob a alegação de que o texto publicado não correspondia ao que fora aprovado em plenário e fixando prazo de 15 dias úteis para que se desse nova sanção ou veto do documento.

Ainda segundo a ADI 5113, decorrido o prazo sem que o governador praticasse qualquer ato, o presidente da Assembleia Legislativa promulgou a Lei Complementar 82/2014, também tratando da organização da Procuradoria-Geral do Amapá e instituindo o estatuto dos procuradores do estado. A ação também alerta que, como a lei anterior não foi revogada, o estado passa a ter duas normas em vigência tratando do mesmo objeto.

O governador argumenta que a Lei Complementar 82/2014 é inconstitucional porque não obedeceu aos procedimentos legislativos constitucionais para ser promulgada ou para revogar a lei anterior; que o processo interferiu nas atribuições e competências privativas do chefe do Executivo ao propor lei sobre organização administrativa. "Logo, a Assembleia Legislativa do estado do Amapá não observou os procedimentos legais de regência e, por meio de ofício, iniciou o processo legislativo, a alteração, modificação e revogação de lei em vigência, em total desrespeito às normas constitucionais e com violação ao princípio da separação dos Poderes, pela usurpação de função tipicamente reservada ao Poder Executivo", sustenta o governador.

A relatora da ADI, ministra Rosa Weber, por entender que a matéria apresenta "relevância e especial significado para a ordem social e a segurança jurídica", determinou a aplicação do rito abreviado previsto no artigo 12 da Lei 9.868/1999 (Lei das ADIs), para que a ação seja julgada pelo Plenário do STF diretamente no mérito, sem prévia análise do pedido de liminar. A ministra também requisitou informações à Assembleia Legislativa do Amapá, responsável pela edição da norma, a serem prestadas no prazo de dez dias.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tributarista de Campos é o novo assessor de ministro do STF

Carlos Alexandre de Azevedo Campos vai trabalhar com o ministro Marco Aurélio Mello Novo assessor vai dividir seu tempo entre Campos e Brasília Um dos mais brilhantes advogados da cidade, o tributarista Carlos Alexandre de Azevedo Campos, de 40 anos, recebeu convite - e aceitou - para integrar a equipe de assessores do ministro do Supremo Tribunal Federal Marco Aurélio Mello. A indicação do nome dele surgiu entre os próprios assessores de Mello que ficaram impressionados com a qualidade de uma recente resenha do advogado. O aspecto técnico da indicação, considerando somente a bagagem acadêmica de Azevedo Campos o deixou muito feliz: “A escolha do meu nome foi baseada em meus conhecimentos do Direito e não por aspectos políticos. Minha grande alegria é a de ir trabalhar com um ministro que sempre admirei por sua força intelectual”, disse. O novo assessor revelou que já esteve em Brasília para uma conversa com o ministro Marco Aurélio. “Ele gostou da minha indica…

Transporte dos Advogados

Convite: Lançamento de livro